25 de fevereiro de 2009

O estilo "Art Nouveau"

Abajur da Tiffany; cartaz "Jane Avril" de Toulouse-Lautrec; vaso de Jean Baptiste Massier; cartaz "Fruit" de Alphonse Mucha; jarra stoneware de Edmond Lachenal; jarra de vidro de Émile Gallé.



Art Nouveau - (arte nova), foi um estilo artístico essencialmente de design e arquitetura, que se desenvolveu entre 1890 e a 1ª Guerra Mundial (1914-1918), na Europa e nos Estados Unidos, espalhando-se para o resto do mundo, e que abrangeu as artes aplicadas, as artes decorativas (vidros, cerâmica, azulejo), o design, as artes gráficas (poster), o mobiliário, a tipografia.

O termo “Art Nouveau” tem origem na galeria parisiense (capital internacional do movimento) L'Art Nouveau, aberta em 1895 pelo comerciante de arte e colecionador Siegfried Bing, e que vendia mobiliário seguindo o estilo.

O projeto de redecoração da casa de Bing por arquitetos e designers modernos é apresentado na Exposição Universal de Paris de 1900, Art Nouveau Bing, conferindo visibilidade e reconhecimento internacional ao movimento.

O movimento social e estético inglês Arts and Crafts, liderado por William Morris (1834 - 1896), está nas origens do art nouveau ao atenuar as fronteiras entre belas artes e artesanato, pela valorização dos ofícios e trabalhos manuais, e pela recuperação do ideal de produção coletiva. Arts and Crafts influenciou o movimento francês da Art Nouveau e é considerado por diversos historiadores como uma das raízes do modernismo no design gráfico, desenho industrial e arquitetura.

O Art Nouveau relaciona-se especialmente com a 2ª Revolução Industrial em curso na Europa e com a exploração de novos materiais, como o ferro e o vidro (principais elementos dos edifícios que passaram a ser construídos segundo a nova estética), e os avanços tecnológicos na área gráfica, como a técnica da litografia colorida, que teve grande influência nos cartazes.

O estilo Art Nouveau é caracterizado pela sua ruptura com as tradições que até então persistiam excessivamente na arte e na arquitetura. Tratou-se de um “estilo novo” voltado para a originalidade da forma, de modo que era destituído de quaisquer preocupações ideológicas e independente de quaisquer tradições estéticas. Pretendendo-se como nova arte, o estilo procurava ainda rejeitar as formas meramente funcionais envolvidas em todos os objetos decorativos provenientes da produção em massa.

A fonte de inspiração primeira dos artistas é a natureza, as linhas sinuosas e assimétricas das flores e animais. O movimento da linha assume o primeiro plano dos trabalhos, ditando os contornos das formas e o sentido da construção. Os arabescos e as curvas, complementados pelos tons frios, invadem as ilustrações, o mundo da moda, as fachadas e os interiores.

O Art Nouveau recebeu diferentes nomes nos diversos países onde se manifestou: style nouille (estilo macarrônico) na França; style coup de fouet (estilo golpe de chicote) na Bélgica; modern style (estilo moderno) na Inglaterra; jugendstil (estilo da juventude) na Alemanha; style liberty (estilo livre) ou estilo floreale na Itália; arte joven ou modernismo na Espanha.

Chamou-se ainda Style 1900 e Style Lumière, devido à Exposição Universal de 1900, realizada em Paris em comemoração à passagem do século e na qual o estilo obteve a consagração internacional.

Em 1900, a denominação Art Nouveau já estava largamente empregada, principalmente no campo da joalheria. A arte japonesa é a que mais o influenciou, com seus motivos retirados das formas da natureza, seus motivos florais: o nenúfar, as ninféias, os grandes crisântemos aparecem na decoração. A delicadeza dos gestos femininos é utilizada com freqüência e os temas religiosos praticamente não existiram; nesta época, apareceram algumas imagens fundidas em bronze que recebiam banho de ouro e tinham detalhes em marfim.

No Brasil

O estilo Art Nouveau chegou no início do século XX, importado da França, com o nome de arte floreal e, como na Europa, exerceu forte influência na arquitetura e nas artes gráficas.

O Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo teve fundamental participação na divulgação e realização da art nouveau. Um dos maiores nomes desse estilo, no Brasil, é o artista Eliseu Visconti, pioneiro do design no País.

Os salões dourados de gosto francês, o mobiliário em madeiras preciosas são guarnecidas de bronze em forma de frutos, grinaldas, laços. Na iluminação grandes lustres de bronze guarnecidos de tulipas e cristal Baccarat, lustres de Gallé e de Lalique, abajures em forma de cogumelos, de Gallé e da Tiffany, que fazia lustres em vidros coloridos tipo vitrô. As porcelanas francesas aparecem com decorações do estilo e monografadas com as iniciais da família.

As cerâmicas artísticas são de origem alemã, francesa e inglesa. Os azulejos e ladrilhos eram geralmente em relevo com motivos Art Nouveau. Na arquitetura, o gosto francês fez aparecer entre nós o gênero Palacete e a obra máxima desta época foi a construção do Teatro Municipal, imitando a Ópera de Paris.

Art Nouveau perdurou até a década de 1920 em objetos decorativos. A fase final deste período é conhecida como Liberty, sobrenome de Arthur Liberty, dono da firma Liberty Company, que vendia as únicas novidades do mobiliário e objetos de moda pertencente ao estilo Art Nouveau, devido à criações inglesas, onde as formas curvas foram substituídas por motivos geométricos, que influenciarão o estilo que se segue - o estilo Art Déco.



CERÂMICAS - ART NOUVEAU



Clement Massier - 1890

Zsolnay - 1900












George Ohr - 1900
Émile Gallé - 1880











Mettlach - 1900
Gouda-Zuid Holland - 1900











Pierre Adrien-Dalpayrat - 1900
Edmond Lachenal - 1900






Um comentário:

fabiosantos disse...

Parabens por este post !
Sou fissurado por art nouveau !!!!!!

Abs